Portugal Campeão do Mundo de Columbofilia 2018

Doing the Distance…. (Voar a longa Distancia…) Sjaak Buwalda…

A preparação para as corridas de maratona mudou drasticamente na última década. Claro, nem todo campeão está mostrando “a parte de trás da língua” quando está sendo entrevistado para artigos. Além disso, a maioria dos repórteres nunca chegou ao topo da liga, então não tem ideia do que perguntar. A maioria dos relatórios é apenas uma soma de todas as situações ideais. Nenhuma pergunta crítica é feita, evitando perguntas dolorosas sobre coisas que deram errado. Tudo passa pelo relógio, como se nada tivesse acontecido com os grandes campeões. Esqueça, eles também enfrentam seus próprios problemas.

Então, quando eu era muito mais jovem, li todos os artigos e livros do início ao fim e vice-versa. Mas aprendendo muito foi quando comecei a visitar os campeões eu mesmo, e ainda faço. Comecei a ouvir em vez de falar, embora muitos dirão a você algo diferente sobre mim. Criar um sistema vencedor é uma coisa, ficar no topo do jogo é outra. Se descobri isso sozinho também. Continue aprendendo, pois sua concorrência também está mudando o jogo, se aprimorando. Com a boca fechada, é claro.

O desafio com corridas de longa distância extrema é que você só tem algumas chances por temporada para experimentar, onde em Velocidade e meia distância você pode testar semana após semana. Portanto, leva mais algum tempo, leia-se anos, para descobrir o que poderia ser uma melhoria. E não apenas uma vez, durante toda a temporada, ou pelo menos algumas vezes. Ao longo dos anos, criei um sistema que era para mim totalmente à prova de balas. Completamente “sistema fechado”, onde nada poderia dar errado. Um sistema para todo o ano, desde corridas, muda, inverno, você escolhe, todos os detalhes foram preenchidos com perfeição. Não há espaço para falhas. Até que tudo deu errado e o sistema entrou em colapso.

A mudança da vacinação do paratifóide que deu errado, colírio para piolhos que não funcionou mais, tricomonas resistentes, e tudo isso em apenas algumas semanas. Isso pode arruinar uma geração inteira, o que, ao voar o Fundo, significa ser jogado para trás pelo menos três anos. Como quando você realmente quer ser competitivo em corridas de mais de 1100 km, você vai precisar de pombos com três anos de experiência. Claro que há exceções, mas são exceções por uma razão. A natureza tem seus próprios critérios de seleção, acenda uma vela pelas duas pontas e se prepare para encontrar um lustre vazio mais rápido do que você pode imaginar.

A chave na preparação de corridas de longa distância extremas, principalmente nos últimos quatro dias, até que o encestamento está alimentando-os com muita gordura. As gorduras são a principal fonte de energia com muitas horas nas asas, sendo a proteína o óleo da máquina. No passado, e que vejo ainda em muitos países, é que os atletas são cheios com todos os tipos de ervilhas, feijões e ainda grandes grãos que os enchem com certeza. Pesados ​​eles serão, com certeza cheios como lutadores de sumô japoneses. Alimentar com as gorduras certas, em combinação com o treinamento normal e preparação suficiente para quilômetros de corrida, é mais do que suficiente para os pequenos comedores de longa distância. Cânhamo, linhaça, amendoim, caroço de girassol descascado no equilíbrio certo vão carregar os maratonistas na perfeição, e também como recuperação utilizada na chegada e nos primeiros dias de recuperação. Dê a eles uma ampla escolha de minerais, diferentes posições de ninho significam diferentes necessidades. Onde no passado a viuvez com machos foi o jogo por décadas, também na extrema distância. Hoje em dia pressuponho mais de 90% de corrida somente no natural. Fêmeas em ovos ou bebês pequenos, machos em ovos com um filhote grande são posições de ninho favorecidas. Treino à noite, apenas por uma hora com a bandeira, e na semana anterior ao encestamento 1-2 vezes cerca de 50-100km na estrada.

Alimentando várias vezes ao dia, potes pequenos com comida ao lado do criadouro para que os pombos sentados possam comer o dia todo. É isso, mantendo as coisas simples. Certifique-se de que eles não têm tricomonas, nem piolhos (principalmente piolhos nas costas) e se vacinaram antes da corrida, e você está dentro. Então, tudo depende do talento, dos genes e da qualidade de seus competidores de longa distância radicais. Só não espere nenhum resultado deles em corridas de velocidade e média distância, eles não são feitos para isso. Sua mentalidade é diferente, seus corpos e músculos não adequados para corrida. Objetivos diferentes, necessidades diferentes, estrutura corporal diferente. Seleção por natureza, evolução, no nosso desporto viaja rápido.

Até a próxima vez, aproveite

Sjaak

Doing the distance

The preparation for marathon races has changed in the last decade pretty drastically. Ofcourse not every champion is showing ‘the back of his tongue’ when they are being interviewed for articles. Besides that, most reporters never raced in the top of the league, so they havent got a clue what to ask. Most reports are just a sum of all ideal situations. No critical questions are asked, avoiding painfull questions about things that went wrong. Everything goes by the clock, like nothing ever goes wrong with the big champions. Forget it, they also face their own problems.

So when I was much younger, I read al articles and books from front to back, and the other way round again. But realy learning was when I started visiting the champions myself, and still do. I started listening in stead of talking, although many will tell you different about me.. Creating a winning system is one thing, staying on top of the game is something else. If found that out myself as well. Keep learning, because your competition is also changing the game, improving themselves. With their mouths shut ofcourse.

The challenge with extreme long distance racing is that you only have a few chances per season to experiment, where on sprint and middle distance you can test week after week. So it takes some more time, read years, to find out what could be an improvement. And not just one time, all season, or at least a few times.

For myself I created a system over the years which was for me totally bulletproof. Completely ‘closed system’ where nothing could go wrong. An all year system, from racing, moulting, winter, you name it, all details where filled in to perfection. No room for flaws. Untill it all went wrong, and the system collapsed. The change of paratyphus vaccination that went wrong, lice neck drops that didn’t function anymore, resistant cancer, and that all in just a few weeks. It can ruin a complete generation, which in doing the distance means being thrown back at least three years. As when you realy want to be competative on 1100+km races, you will be needing three year old experience pigeons. Ofcourse there are exeption, but they are exeptions for a reason. Nature has her own selection criteria, burn a candle from both ends and prepare to find an empty chandelier faster than you can imagine.    

Key in the preparation of extreme long distance racing, foremost in the last four days untill basketting is feeding them lots of fats. Fats are the main energy source with many hours on the wings, the proteine being the oil in the machine. In the past, and which I see still in many countries is racers being filled up with all sorts of peas, beans plus huge corns which filles them up for sure. Heavy they will be, for sure filled up like japanes sumo wrestlers. Feeding the right fats, in combination with normal training and enough preparation racing kilometers, is more than enough for the small bodied distance eaters. Hemp, lineseed, peanuts, pealed sunflowerpits in the right balance will load the marathonistas up perfectly, and also as recovery used on arrival and the first days of recuperation. Give them a broad choise in minerals, different nestpositions means different needs.

Where in the past widowhood with cocks was the game for decades, also on the extreme long distance. Nowadays I pressume more than 90% race on natural only. Hens on eggs or small babies, cocks on eggs with a big youngster are favored nestpositions. Training in the evening hours, just for an hour with the flag, and in the week prior to basketing 1-2 times some 50-100km on the road. Feeding feeding feeding several times a day, small pots with food next to the breedingbowl so the sitting pigeons can eat all day. Thats it, keeping it simple. Make sure they are cancerfree, coccifree, licefree (foremost back lice) and had their vaccinations on time before the race, and you are in. Then it is all up to the talent, genes and quality of your extreme long distance racers. Just don’t expect any results from them on sprint and middle distance races, they are not made for it. Their mindset is different, their bodies and muscles not fit for sprinting. Different goals, different needs, different body structure.

Selection by nature, evolution, in our sport travels fast.                                                              

Untill next time, enjoy Sjaak    

2 Comments on Doing the Distance…. (Voar a longa Distancia…) Sjaak Buwalda…

  1. Podrías ayudarme

    Gostar

  2. Espetacular. Boa aula!!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: