Portugal Campeão do Mundo de Columbofilia 2018

Sjaak Buwalda – Doing the Distance (voar o Fundo e o Grande Fundo)

Doing the Distance

Let’s do some more distance racing talk. Just keep in mind, what you read here is my opinion, no science or truth written in stone tablets. When on facebook I get asked several times about race preparation for marathon races. As you can understand, that is not realy easy to explain in just a few sentences. If it was all that easy, anyone could do it and be succesfull at it, which is not realy realistic. Not that this extreme distance racing is easier or more difficult, it is just different and you need a different aproach to it. I remember having visitors at the loft, they wanted to invest in breeding pigeons because they wanted to make the step towards extreme long distance racing. After having a thorough talk, I adviced them to reconsidder. I am no psychologist, not even being an amateur or aprentice in that way. They had it all figured out, from day one untill their day in the spotlights. My question, what if it all goes wrong on your first distance race with your new team of yearlings and you end up with an almost empty loft? Silence was the answer. These are things that can happen when you try to push nature out of the natural way of selection. There is no rushing involved in trying to beat the odds of nature. Never heard from them again, wise decision probably.

Besides the normal key factors in pigeonsport, like healthy pigeons, top class pigeons, a good loft, motivation in any order you like. Some factors have a bigger influence in extreme distance racing in my experience. Ofcourse my distance pigeons also race on the sprint and middle distance races in preparation for bigger things to come, still I am no specialist in that area. For me al races are interesting, every distance, eventhough my distance racers are missing the qualities for those shorter distances. With the so now and then exception to the rule, a long distance bird that forgot it was born for another purpose. Under normal circumstances they have no chance against real sprinters in any normal race under a certain number of hours on the wings. On every 100km more to race they seem to lose 10 minutes to the sprinters. Still, try to beat them at 1000km with 12/14 hours on the wing three times in six weeks, who would end up with an empty loft you think? Why? Luckily pigeonsport has a lot of mysteries which makes it more interesting than any other sport, luckily our feathered freinds cant talk and tell us what is happening, what they experience.

Ofcourse we have our ideas, theories and some practical differences between sprinters and distance pigeons like in the first place their fysics. Same as with people a sprinter needs different type of muscles, bonestructure, energy usage and ofcourse mentality. I was visiting some of my pigeonfriends in Belgium on a racingday. Waiting for their long distance pigeons from a trainingrace, we saw groups of birds passing by, and returning back from the north. The eminent grize, double national Barcelona winner, mentioned to me ‘long distance pigeons can’t finish, they fly in a direction’. And I think at least a big part of that is somehow true. Besided a different fysics needed for long distance racing, they also need a different aproach with staying more days in the racing baskets, and beying liberated in places they never been before, not knowing where they are. They would probably go crazy in stead of staying calm when they would see mountains for the first time, in stead of the flat lands they where used to. At least I would.

For the human side of side of long distance racing, the biggest and most underestimated part of it, is transport from basketting untill liberation/start of the race. What I have seen in most countries where they ‘try’ to do long distance racing, is rushing, trying to get the pigeons to the liberationsite as fast as possible. Costs as an aspect as well. Too many pigeons in one basket, not enough rest after arrival of the trucks, not enough fresh water, not the best or right food in the trucks. How can you treat them like animals going to a slaughterhouse and expect good returns? How it is done here? Basket in the evening, start driving in the morning, stop every three hours for fresh water and regular feeding. Don’t wait untill the trucks end up in a traffic jam, but get from the main road and take a resh untill clear road. Arrive the day before liberation, rest well, feed well, drink well, low number of pigeons in the basket. Pigeons first in stead of costs first. Would you prefer to stand in a plane for 12 hours if it was cheaper?

Key factors for distance racing at your own loft? Real long distance pigeons with the genes for it, long term preparation, pure health, the right feeding in the last couple of day a lot of fat feeding. More about that a next time…    

Voando o Fundo e o Grande Fundo

Vamos conversar mais sobre corridas de longa distância. Apenas tenha em mente que o que você lê aqui é minha opinião, nenhuma ciência ou verdade escrita em tábuas de pedra. Quando estou no Facebook, sou questionado várias vezes sobre a preparação para as corridas de maratona. Como você pode entender, isso não é muito fácil de explicar em apenas algumas frases. Se fosse tão fácil, qualquer um poderia fazer e ter sucesso, o que não é muito realista. Não que esta corrida de distância extrema seja mais fácil ou mais difícil, é apenas diferente e você precisa de uma abordagem diferente para isso. Lembro-me de ter visitantes no pombal, eles queriam investir em pombos reprodutores porque queriam dar um passo em direção às corridas de longa distância radicais. Depois de uma conversa completa, aconselhei-os a reconsiderar. Não sou psicólogo, nem mesmo sendo amador ou aprendiz nesse sentido. Eles tinham tudo planeado, desde o primeiro dia até o dia deles sob os holofotes. Minha pergunta: e se tudo der errado na sua primeira corrida de longa distância com sua nova equipe de borrachos e você acabar com um pombal quase vazio? O silêncio foi a resposta. Essas são coisas que podem acontecer quando você tenta empurrar a natureza para fora do caminho natural da seleção. Não há pressa envolvida em tentar vencer as adversidades da natureza. Nunca mais ouvi falar deles, provavelmente uma decisão sábia.

Além dos fatores-chave normais na columbofilia, tal como pombos saudáveis, pombos de primeira classe, um bom pombal, motivação na ordem que você quiser. Na minha experiência, alguns fatores têm uma influência maior nas corridas de longa distância. Claro que meus pombos de Fundo também correm nas corridas de velocidade e média distância em preparação para coisas maiores que estão por vir, ainda não sou nenhum especialista nessa área. Para mim, todas as corridas são interessantes, todas as distâncias, embora os meus pombos de longa distância não tenham qualidades para distâncias mais curtas. Com a exceção de vez em quando à regra, um pombo de longa distância que se esquecia dele nasceu para outro propósito. Em circunstâncias normais, eles não têm chance contra velocistas reais em qualquer corrida normal com um certo número de horas nas asas. A cada 100km a mais para correr, eles parecem perder 10 minutos para os velocistas. Ainda assim, tente vencê-los em 1000km com 12/14 horas na asa três vezes em seis semanas, quem iria acabar com um pombal vazio, você acha? Porque? Felizmente a columbofilia tem muitos mistérios que o tornam mais interessante do que qualquer outro desporto, felizmente nossos amigos emplumados não podem falar e nos dizer o que está acontecendo, o que eles vivenciam.

Claro que temos nossas idéias, teorias e algumas diferenças práticas entre velocistas e pombos de distância, como em primeiro lugar a parte fisica… o corpo. Assim como acontece com as pessoas, um velocista precisa de diferentes tipos de músculos, estrutura óssea, uso de energia e, claro, mentalidade. Eu estava visitando alguns de meus amigos columbofilos na Bélgica num dia de corrida. Esperando por seus pombos de longa distância de uma corrida de treino, vimos grupos de pombos passando e voltando do norte. O eminente grize, duplo vencedor do Barcelona, ​​mencionou para mim “os pombos de longa distância não conseguem chegar, eles voam em uma direção”. E acho que pelo menos uma grande parte disso é de alguma forma verdade. Além de um corpo diferente necessário para corridas de longa distância, eles também precisam de uma abordagem diferente para ficar mais dias nas cestas de corrida, e serem libertados em lugares onde nunca estiveram, sem saber onde estão. Eles provavelmente enlouqueceriam em vez de ficarem calmos quando vissem as montanhas pela primeira vez, em vez das planícies que costumavam ver. Pelo menos eu faria.

Para o lado humano das corridas de longa distância, a maior e mais subestimada parte dela, é o transporte do encestamento até a libertação / largada da prova. O que tenho visto na maioria dos países onde eles “tentam” fazer corridas de longa distância, é correr, tentando levar os pombos ao local da libertação o mais rápido possível. Os custos também são um aspecto importante. Muitos pombos em uma cesta, descanso insuficiente após a chegada dos caminhões, água potável insuficiente, comida inadequada ou inadequada nos caminhões. Como você pode tratá-los como animais indo para um matadouro e esperar bons retornos? Como isso é feito aqui? Cesta à noite, comece a dirigir pela manhã, pare a cada três horas para darágua potável e alimentação regular. Não espere até que os caminhões acabem em um engarrafamento, mas saia da estrada principal e pegue uma nova direção até a estrada limpa. Chegue na véspera da liberação, descanse bem, alimente bem, beba bem, pouco número de pombos na cesta. Os pombos primeiro, em vez dos custos primeiro. Você preferiria ficar 12 horas em um avião se fosse mais barato?

Fatores-chave para corridas de distância no seu próprio pombal? Pombos reais de longa distância com os genes para isso, preparação a longo prazo, saúde pura, a alimentação certa nos últimos dias com muita gordura. Mais sobre isso da próxima vez …

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: